Ela – e a liberdade de pertencer a si mesma.

Talvez ela tenha mudado.

Não de roupa, nem de casa, nem mesmo de maquiagem.

Não, por fora, eu diria que ela é praticamente a mesma.

A mesma moça com os olhos atentos. A mesma moça cujo coração não tem medo de oferecer àqueles que ama.

Mas, por dentro, nessa parte que ninguém vê, nessa sim ela mudou.

Ah, e como mudou.

De repente, ela se viu sem as vendas que insistiam cobrir seus olhos.

Enfim, quase que sem querer, passou a enxergar o mundo, o mesmo que sempre conheceu, de um jeito totalmente diferente.

Todas suas cores e possibilidades ganharam vida e um significado muito mais real.

Não, ela não deixou de lado sua essência, mas buscou novos caminhos, novos rumos, se perdeu e se encontrou em uma mulher que, de alguma forma, sempre existiu dentro dela.

Ela pensou que talvez ficasse com medo, mas a verdade é que ela gostou.

A verdade é que ela tem gostado dessa sua nova versão que descobre a cada dia.

Nessa versão ela se arrisca, ela se joga por que, enfim, entendeu que a vida precisa ser absorvida em sua totalidade.

E assim segue em busca de novas descobertas.

Ela quer mais.

Mais atitude daqueles que estão a sua volta. Mais beijos. Mais abraços. Mais carinho. Mais brilho nos olhos. Mais gentileza. Mais amor. Mais empatia.

Ela quer menos.

Menos falsidade. Menos falta de respeito. Menos hipocrisia. Menos “nãos” para o que a vida tem para oferecer. Menos cobranças. Menos falta de tempo para o que é essencial.

Hoje ela aprendeu a ser ela mesma e a gostar do que vê.

Hoje ela cansou de nadar contra a maré e deixa que a sigam em sua própria maré, se assim o desejarem.

Caso contrário, que sigam em paz em seu próprio caminho. Afinal, ela aprendeu que não se pode ter controle sobre tudo e muito menos sobre todos.

É preciso aprender a deixar ir aquilo ou aqueles que precisam partir.

Ela cansou de ser engolida pelos sentimentos que não lhe pertencem e decidiu, por fim, dar conta da própria vida.

Hoje ela aprendeu a permitir-se, a amar-se, a respeitar-se, pois, enfim, descobriu que não precisa esperar que ninguém faça isso por ela.

Deixe uma resposta