A maior crise de todos os tempos

O Brasil está e crise e isso já não é mais novidade para nenhum de nós.

Mas, o que me assusta é perceber que estamos tão focados em olhar para fora que não nos atentamos para a maior crise de todos os tempos:

Aquela que acontece dentro de cada um de nós.

Deixamos de olhar para nossos próprios defeitos e limitações para apontar o dedo para o próximo, para colocar a culpa no outro, no universo, em Deus ou em qualquer coisa que exclua minha total responsabilidade pela minha própria vida.

Percebemos um crescimento nos índices de suicídio, depressão, ansiedade, síndrome do pânico, e aceitamos que isso faz parte da sociedade em que vivemos quando, na verdade, isso traduz a triste realidade em que aceitamos viver.

Aceitamos que não há volta e deixamos de dar a reviravolta que a nossa vida precisa para que nos reencontremos com a nossa essência.

Desconectados do nosso verdadeiro propósito de vida, seguimos cumprindo tarefas sem questioná-las, vivendo vidas que nos foram empurradas, e que aceitamos por simples necessidade de pertencer a um grupo.

O que você tem feito para modificar aquilo que tanto te incomoda?

O que você tem feito por você mesma?

O fato é que a vida nos prega peças o tempo todo e não há como se livrar disso.

Por mais iluminado que você seja, por mais autoconhecimento que você adquira, vez ou outra você também irá fraquejar, e não há problema nenhum nisso.

Quem foi que disse que chorar é feio?

Chorar lava a alma, reconstrói sentimentos, te prova que você é humano.

E, como tal, tem total direito a ter sentimentos e assumi-los perante o mundo.

O problema, o real problema está em não saber voltar para o centro.

Está em se perder em meio a uma crise por considerá-la como algo que não se pode mudar, algo que veio para ficar.

Não. As crises vêm e vão como praticamente qualquer coisa na nossa vida e o que importa é:

O que você vai fazer diante do caos?

Vai aceitá-lo como sendo parte integrante de você, ou vai aprender com ele, e fazer disso mais uma oportunidade para crescer?

Para se transformar naquilo que você tem de melhor?

Deixe uma resposta