O que te faz amar alguém?

Tá aí uma pergunta que você deveria fazer a si mesmo todos os dias.

Viver com alguém, mesmo que ainda em casas separadas, exige que nós deixemos de lado nosso egoísmo para que o outro possa existir da maneira que realmente é.

O amor não é cego. Nunca foi. A paixão, eu diria que é sim. Há uma diferença gigante entre uma coisa e outra.

Preste atenção ao tipo de sentimento que nutre pela pessoa com quem pretende dividir uma vida.

Amar alguém significa enxergar cada qualidade e também cada limitação, cada defeito, cada falha, e mesmo assim se sentir a pessoa mais feliz por tê-la em sua vida. É aprender a encarar o outro como um verdadeiro presente de Deus e ser grato por isso.

Amar está nos detalhes.

O amor exige compromisso com a felicidade do outro e não apenas com a nossa. Essa é uma grande verdade e se você não perceber isso a tempo, seu relacionamento correrá muitos riscos.

No mundo em que vivemos, cheio de urgências e provisoriedades, viver a dois virou uma verdadeira arte. Você deve se libertar de toda essa cultura do “jogue fora aquilo que não te serve mais, aquilo que já quebrou” e se apegar ao aprendizado do “vamos consertar, vamos dar um jeito de fazer dar certo, vamos lutar juntos”.

Quando nos comprometemos em fazer o outro feliz, consequentemente, estaremos atraindo a felicidade para nossa vida também. Simples assim.

Vejo muitas pessoas reclamarem de seus parceiros. Mas acredito que deveríamos elencar suas qualidades e os motivos que nos levaram amá-lo e não o contrário. Isso faz com que nossos pensamentos e sentimentos se voltem para aquilo que há de bom e, com isso, não poderia ser diferente, o amor se manterá para sempre vivo.

Somente assim um relacionamento poderá dar realmente certo.

Afinal, ninguém nessa vida é perfeito.

Portanto, não espere encontrar um príncipe ou uma princesa livre de qualquer defeito. Até mesmo porque seria injusto buscar no outro uma perfeição que nem mesmo você tem. Nós também temos as nossas precariedades.

Comece pelos pequenos gestos que te encantam nele (ou nela). Perceba a infinidade de coisas que você tem para se orgulhar de seu companheiro (a) e descubra que os problemas são muito menores diante de tudo isso.

Mantenha o amor vivo dentro de você, e não permita que a rotina lhe roube a chance de viver o Feliz para Sempre.

E o Feliz para Sempre, meu caro, só é possível quando há comprometimento de ambos em fazer dar certo.

Não é algo simples. Não há regras a serem seguidas. Não há manual de instruções

Por mais que muitos tentem montar técnicas infalíveis para conquistar o amor da sua vida, cada pessoa é única e aí está o grande desafio e beleza da vida a dois. É na junção de duas vidas diferentes que você evolui, e se torna uma pessoa muito melhor do que antes.

Cada casal constrói a sua história. Mas seja como for, precisa haver vontade e determinação para aceitar que os problemas podem surgir, as dificuldades podem aparecer, mas se os dois quiserem realmente, o “Felizes para Sempre” não é e não deve ser uma regalia apenas dos contos de fada.

O amor é construído em conjunto, dia após dia. Ele não nasce pronto e não se sustenta sozinho ou sob bases não sólidas. Construa-o sob rochas e o amor durará para sempre.

No amor verdadeiro ambos se ajudam a crescer pessoalmente. Não basta estar junto. Não é a quantidade de anos que já viveram sob o mesmo teto que diz se o casamento teve sucesso, mas a qualidade com que o casal vive a relação.

O Papa Francisco nos diz que para ter sucesso na vida a dois é preciso nunca esquecer de três palavras mágicas: Posso? Obrigado! Desculpe.

É fundamental nunca deixar que a falta de gentileza se aposse da vida a dois.

Deixe uma resposta