Perdoar é ser capaz de superar as expectativas

De fato, em um mundo onde todos estão tão preocupados com o próprio umbigo, é praticamente impossível não se magoar ou, até mesmo, não ser você próprio a ferir alguém.

Mas, e quando nos vemos diante do dilema do perdão?

Perdoar ou não perdoar?

Aliás, é realmente possível se livrar de todas as angústias, dores e medos ocasionados por uma atitude impensada de alguém?

Perdoar é, arrisco dizer, uma das tarefas mais difíceis de nossas vidas.

A verdade é que raros são aqueles que realmente são capazes de tal atitude.

Afinal, perdoar significa colocar nosso orgulho em segundo plano.

Perdoar é esquecer todas as expectativas inventadas, e aceitar que sim, algumas pessoas não irão pensar ou agir como nós achamos que seria o correto.

Mas até que ponto eu me julgo perfeita o bastante para ser capaz de livrar alguém da culpa por ter falhado?

Logo eu, um ser tão imperfeito quanto.

Eu prefiro deixar que a vida se encarregue dessa tarefa por mim

Sendo assim, penso que, para alcançarmos a verdadeira paz interior, deveríamos esquecer esse peso de ter que perdoar para sermos, então, perdoados.

Com o passar dos anos, aprendi que compreender, e não apenas perdoar, talvez, seja o grande segredo para a felicidade.

Compreender que o outro é alguém diferente de mim e, portanto, não tem nenhuma obrigação de pensar e agir como eu é aquele tipo de verdade que nos liberta

É fato que não somos obrigados a conviver com algo que vai contra aos nossos valores.

E eu te aconselho a se libertar desse fardo também.

Mas, a partir do momento que eu busco entender os motivos que conduziram à determinada atitude, eu adquiro, finalmente, a capacidade de seguir em frente.

Eu percebo, enfim, que a minha vida deve continuar e que eu devo ser ainda melhor com aqueles que estão a minha volta.

Me vejo compreendendo o amor como a ausência do ódio em nós, e não como sendo o contrário do mesmo.

Eu liberto, finalmente, meu coração de todos esses sentimentos tão mesquinhos, e deixo-o livre para viver e experimentar o novo,

Não mais me prendo ao passado, ao que foi dito e, tão pouco, ao que foi feito.

Eu me vejo livre para trilhar tranquilamente meu próprio caminho.

E deixo igualmente livre aquele que prefere seguir por um outro diferente do meu.

Que seja feliz a seu modo, e me deixe ser feliz também do lado de cá.

É o que penso quando, de repente, a raiva tenta tomar conta do meu dia.

Sem amarras.

Sem aquela necessidade esmagadora de tentar fazer com que o outro mude, quando sabemos muito bem que ninguém muda ninguém se esse alguém não desejar alterar o próprio ritmo.

A vida anda depressa demais. Queremos tudo e, de fato, pouco conquistamos

Ao invés de buscar o que nos outros precisa melhor, mude a si mesmo

Perdoe-se em primeiro lugar

Mude o rumo, a rota, a direção

Deixe ser.

Deixe passar.

Permita-se viver.

Deixe uma resposta